Meu nome é Khan

perspectivas críticas sobre identidade, capitalismo e religiosidade a partir de um filme

Autores

Palavras-chave:

Capitalismo; Terrorismo; Imperialismo; Fundamentalismo

Resumo

como um sistema econômico arbitrário, o capitalismo precipita conflitos, fabrica inimigos, impõe linguagens, estéticas, políticas, relações interpessoais, comportamentos culturais e sociais que em várias circunstâncias são igualmente perversos e implacavelmente intransigentes, reativos, repressores e reducionistas. Meu nome é Khan, filme lançado em 2010 sob a direção de Karan Johar, serve como um painel para ilustrar e, por meio da verossimilhança, expor como estes processos de cerceamento da imaginação sociológica, das perspectivas e das relações socioculturais podem ocorrer no interior dos impérios políticos e econômicos. Ao narrar a história ficcional de Rizwan Khan, um homem muçulmano que sofre da Síndrome de Asperger e tenta a sorte na cidade de São Francisco, o enredo demonstra o recrudescimento de preconceitos contra árabes, o acirramento da intolerância religiosa contra o Islã e a exacerbação do nacionalismo norte-americano que ocorreram depois dos atentados contra o World Trade Center, ocorridos em 11 de setembro de 2001. É sobre estas questões, sobre as relações diretas entre o imperialismo e concepções de mundo intolerantes que este ensaio reflete, para criticar o sistema financeiro que, dentre outros males, dá causa a tipos sumários de violência. 

DOi.png 10.29327/256659.14.2-11

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Sérgio Raposo da Silva, Grupo de Estudos da Complexidade (GRECOM-UFRN)

Graduado em Ciências da Religião pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) e Mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), onde integra o Grupo de Estudos da Complexidade (GRECOM). E-mail: pauloraposo10@gmail.com

Referências

BERGER, Peter; ZIJDERVELD, Anton. Em favor da dúvida: como ter convicções sem se tornar um fanático. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

CHARAUDEAU, Patrick. A conquista da opinião pública: como o discurso manipula as escolhas políticas. São Paulo: Contexto, 2016.

CHOMSKY, Noam. A nova guerra contra o terror. Revista Estudos Avançados, vol. 16, nº 44. São Paulo, Abr. 2002. Disponível em https://doi.org/10.1590/S0103-40142002000100002. Acesso em 27/06/2023.

EAGLETON, Terry. O debate sobre Deus: razão, fé e revolução. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011.

GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade. 4. ed. São Paulo: LTC, 2019.

HARDT, Michael; NEGRI, Antonio. Império. 3. ed. Rio de Janeiro: Record, 2003.

KUJAWSKI, Gilberto. A identidade nacional e outros ensaios: somos muitos, somos um? Ribeirão Preto: SP: FUNPEC editora, 2005.

KÜNG, Hans. Religiões do mundo: em busca dos pontos comuns. Campinas: Verus, 2004.

LAHRECH, Oumama Aoud. De um humanismo a outro: Pontes e Fronteiras. In: Islamismo e Humanismo Latino. ARNO JÚNIOR, Dal Ri; ORO, Ari Pedro (Org.). São Paulo: Editores Vozes, 2004.

PACE, Enzo. A sociologia do Islã: fenômenos religiosos e lógicas sociais. 1. ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

PANASIEWICZ, Roberlei. Diálogo Inter-Religioso. In: Dicionário do Pluralismo Religioso. RIBEIRO, Cláudio de Oliveira; ARAGÃO, Gilbraz; PANASIEWICZ, Roberlei (org.). São Paulo: Editora Recriar, 2020.

ŽIŽEK, Slavoj. Bem-vindo ao deserto do real: cinco ensaios sobre o 11 de setembro e datas relacionadas. São Paulo: Boitempo, 2003.

Downloads

Publicado

14-11-2023

Como Citar

Silva, P. S. R. da . (2023). Meu nome é Khan: perspectivas críticas sobre identidade, capitalismo e religiosidade a partir de um filme. PLURA, Revista De Estudos De Religião / PLURA, Journal for the Study of Religion, 14(2), 195–215. Recuperado de https://revistaplura.emnuvens.com.br/plura/article/view/2252

Edição

Seção

Ensaio